Era só sexo casual, mas me apaixonei !

Sabe aquele momento, aquele instante que não pertence à outra pessoa se não você, que por mais que descreva para sua melhor amiga, nem ela seria capaz de entender? Pois bem, quando você está com o pensamento na sua caixinha do tudo, fecha os olhos e eis que ele aparece naquela bagunça, sorrindo, te olhando, te fazendo ser a única, ser a que ele quer. Desde o início fora uma relação limpa, sem joguinhos ou mentiras, sem papo furado para te levar para a cama, e você que se rotula madura, entende que ele não será nada além um P.A, pensa: “Opa, que maravilha, não vou me apaixonar, será apenas sexo e é disso que preciso agora.” Uma relação franca assim tem tudo para dar certo, certo? Errado.

Acontece que ele se mostra tão perfeito nos momentos, faz com que você se sinta especial apenas pela forma como te olha, te convida para ir casa dele depois de um dia tenso, faculdade, trabalho, prazos e lá vai você, achando que vai rolar aquela sessão de sexo como a anterior, mas não é isso que acontece e sabe por quê? Não era de sexo que vocês precisavam, a intimidade exigia uma conversa, risos e dormir de conchinha. Diga-se de passagem, o frio estava convidativo a um programinha assim naquela noite.  Passam-se dias, semanas, mas tudo bem, embora tenha se encontrado várias vezes olhando as fotos dele no Facebook, o desejo é físico, dá um jeito de tirar ele da cabeça, e segue a rotina. 

Finalmente o novo encontro acontece, ele te espera como de costume, banho tomado, cabelo molhado, cheiroso, lindo com aquele sorriso espontâneo dizendo seja bem vinda, senti saudades. A noite corre, e o instinto fala por si e como das outras vezes, ele te realiza uma, duas, três vezes e quantas mais der vontade. Insegurança com suas gordurinhas? Isso foi esquecido na segunda vez em que foram para a cama. Ele é o tipo de homem que gosta de estar com você e do jeito que é, com todos os detalhes vantajosos ao olhar dele e desmerecidos ao seu.

Vocês se despedem pela manhã e como é de esperar, não há ligações ou buquê de flores te esperando nas semanas seguintes, tudo bem, você sabia que seria assim, o que não se esperava é que a cada encontro os corpos falassem por si, a saudade descrita no toque, no olhar, nos beijos..  Ahhh.. e que beijos... Aqueles beijos que encaixam de verdade, regado de saudade, de abraços e mãos escorregadias mapeando desejos no escuro. 

Um dia tem um surto de ciúmes por não aguentar mais pensar nele ou ver pela rede social as ‘amiguinhas da faculdade’ e deixa claro que gosta dele, que erroneamente havia se apaixonado, mas está ciente que não poderia cobrar nada, menos ainda exigir. Foi de uma forma tão forte, tão espontânea onde as palavras saíram vomitadas ao invés de serem engolidas como das outras vezes. Aquele sentimento estava tão aflorado, precisava ser dito, mesmo que não desse em nada e correndo o risco de nunca mais vê-lo. 

Ele foi maravilhosamente paciente em dizer: “ Hey,  o que está acontecendo? Fica calma, já conversamos sobre isso, não sou eu ou você, mas não nos sobra tempo e você sabe disso (essa é a hora em que deseja que abra um buraco no chão para enfiar a cabeça dentro), não tenho outra pessoa e se eu tivesse, por respeito a nós, você saberia da mesma forma que eu também gostaria de saber se você encontrasse alguém, agora querida, pare de chorar, está tudo bem, vamos sair daqui.”  E saem abraçados como se nada tivesse acontecido. A paz que se queria era encontrada em meio os braços dele, aqueles braços másculos, porém macios, onde várias vezes sua cabeça era confortada até adormecer. Os encontros esporádicos continuam e sempre que desejo ser devorada de carinho é nos braços dele que amanheço junto com meu amor espremido e a satisfação garantida. E agora não é mais casual, é paixão !

 

 

voltar para Sexo

left show fwR center b02ns normalcase bsd|left tsN fwB|left show fwR|c05 b01 bsd|||news login b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase b01 tsN c10 bsd|normalcase c10|news login b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c10|b01 normalcase c10 bsd|content-inner||